Serrilha - Coisas que me deixam feliz

cartazista

Sexta foi meu último dia de trabalho e, agora que estou indo seguir os passos da chefia, me dei conta que ainda não tinha falado do nosso trabalho por aqui.

Responsável por grande parte dos cartazes do cinema nacional, o trabalho do Studio Ana França Design é fino que só. Ana França e companhia, passeiam com propriedade por diversos estilos para atender aos variados temas abordados nos filmes.

O Studio está cheio de novidades e mudanças, sala nova, novo designer e novo site. Se você ainda não conhece o trabalho da Ana, definitivamente vale a visita.

vendo de cima

da série: coisas que me deixam feliz.

Uma compilação de cenas filmadas utilizando o “ponto de vista de Deus” (God’s eye view)*, feita pelo editor Brian Carroll.

O vídeo é turbo bacana mas um tanto aflitivo com suas sequências de cucurutos desfilando ao som da ótima Down Boy do Yeah Yeah Yeahs.

*alguém sabe me responder como é chamado em português? Plano zenital (obrigada Mario!).

tudo é remix

Com o lançamento de seu quarto episódio, a série de curtas Everything is a Remix chegou ao fim. Produzida pelo cineasta Kirby Ferguson, a série lida com as questões envolvidas na criação das coisas.

Música, tecnologia e filmes são dissecados para nos mostrar como copiamos, transformamos e combinamos referências na tentativa de fazer algo realmente inovador.

Os vídeos embaçam a linha da propriedade intelectual e nos mostram que tudo que fazemos é um remix do que veio antes da gente.

Se você curtiu Everything is a Remix, o rapazote está com um projeto no Kickstarter para uma nova série e para apoiá-lo é só clicar aqui.

filme no papel

O designer de interação Eddie Shannon demorou 2 anos para fotografar sua coleção de 17 anos com cerca de 1500 posters representando mais de 900 filmes.

No site Film on Paper, Shannon compartilha seus cartazes originais de cinema e, além das fotos, tagline, título em outros países, ano de produção, direção, atores, ilustradores e designers responsáveis por cada arte. Um luxo!

O site contém um amplo espectro de filmes de diversos gêneros e países. Prepare-se para perder algumas horas passeando pelos arquivos do rapazote.

jamel shabazz

Recheadas de B-boys com seus tênis Adidas, chapeuzinhos Kangol e óculos de aro preto, as fotografias de Jamel Shabazz capturam o espírito de uma época e nos transportam para os anos de surgimento da maior cultura musical desde o rock’n’roll: o hip-hop.

Esse ano, o diretor do clássico sobre graffiti Wild Style, Charlie Ahearn, presta sua homenagem a Shabazz e a seus fotografados que ajudaram a definir a imagem do hip-hop antes mesmo de ter essa denominação.

Veja, aqui embaixo, o trailer do documentário Jamel Shabazz: Street Photographer.

créditos de saul bass

Com o lançamento do livro Saul Bass: A Life in Film & DesignIan Albinson do Art of the Title fez este vídeo turbo bacana compilando as aberturas feitas por Bass.

Em uma época em que os estúdios de cinema se limitavam a usar retratos tradicionais dos atores acompanhados de tipografia de gosto duvidoso para divulgar seus filmes, Saul Bass revolucionou utilizando formas irregulares, imagens simplificadas e tipografia combinada a letras decorativas.

Para o filme The Man with the Golden Arm de 1955, Bass desenvolveu marca, cartazes, anúncios e créditos animados. Foi o primeiro projeto a unificar design impresso e design em movimento.

neon-rama

E se os cartazes de cinema fossem letreiros de neon?

Com essa pergunta em mente, o designer inglês e fã dos luminosos Mr Whaite iniciou sua série de pôsteres/gifs.

antiguinho

Influenciado pelo clima antiguinho da cantora holandesa Caro Emerald, o diretor Maikel van der Laken decidiu fazer um clipe inspirado pelos cartazes e aberturas dos filmes das décadas de 50 e 60. Por um mês, o designer Donald Roos, responsável pelas ilustrações, pesquisou a linguagem gráfica desses filmes. Ele trabalhou em conjunto com Dennis Kleyn da Planet X FX que foi responsável pela animação e pós-produção.

A tipografia foi inspirada nos cartazes de Saul Bass, que também foi a principal referência em créditos iniciais de filme. Além das aberturas de Bass, aberturas mais contemporâneas como as dos filmes Prenda-me se for Capaz e Beijos e Tiros foram utilizadas como base. Praticamente todos os ícones que aparecem no vídeo foram retirados de cartazes da época, incluindo o famoso braço do filme O homem do braço de ouro. O resultado ficou muito bacana!

via the font feed